O maldito “reply”


Já publiquei alguma coisa por aqui sobre as gafes cometidas na hora de redirecionar ou responder um e-mail na relação entre assessores e jornalistas. Mas a colaboração de um amigo jornalista é uma das melhores que já recebi e vai para o quadro de campeãs. Vejam abaixo:

Certo dia estava no aeroporto esperando um vôo para Miami de uma empresa que me convidou e uma assessora de imprensa de uma empresa de telefonia me ligou dizendo o seguinte. “Olá, Fulano. Tudo bem? Estou te ligando para convidá-lo para um evento da nossa empresa amanhã, aqui na cidade amanhã”. Estranhei o convite em cima da hora e completei:

“Obrigado pelo convite, mas estou no aeroporto indo para o exterior. Só volto daqui uma semana”. Não demorou muito, recebi um e-mail com o seguinte teor: “Olá, Fulana. Falei com o jornalista há pouco. Ele estava no aeroporto indo pra outra viagem. Esqueci de convidá-lo para o evento de amanhã e, portanto, não poderia ir. Mas falei de uma forma como ele fosse a pessoa mais importante do mundo. Olha só que sorte!

Só que a sorte dela é que o e-mail foi parar na minha mão em vez da chefe dela. Sinceramente não liguei para o ocorrido, mas não ia perder a oportunidade de mostrar que recebi o conteúdo. Encaminhei o e-mail para a chefe dela complementando: “Olha, recebi este e-mail por engano. Acho que é seu! E só lembrando…não sou tão importante assim”.

Disso tudo, fica um aprendizado. Tanto do lado da imprensa, quanto do lado da assessoria, é melhor guardar consigo sentimentos particulares. Se falar já não é aconselhável, imagine escrever e entregar na porta errada.

Anúncios

6 comentários em “O maldito “reply”

  1. Já passei por uma assim. Recebi um release sobre uma peça de teatro e pedi um par de convites — na cara dura. Recebi, de volta, um e-mail:
    “Renata, além de escrever meu nome errado, ela ainda quer um par de convites. Adivinha o que ela merece”….
    Não aguentei e respondi: “Mereço respeito, a princípio”.
    Nunca recebi uma resposta com tamanha lorota. Era mais ou menos assim: “Mil desculpas, Cintia, mas você recebeu um e-mail errado. Acho que hackearam minha caixa de mensagens, jamais escreveria isso para você. Vou entrar em contato com o pessoal de TI, imediatamente”. Nem conto o final da história…. desci do salto

  2. hahahahahahahaha…coitada da coitada da assessora! tem uma coisa que aprendi que é o seguinte: “é preciso descer do salto para acabar com a arrogância da imprensa'( leia-se assessores, jornalistas e quem mais tá na roda)” é exatamente nessas horas que a gente precisa mudar de postura: a assessora precisa aprender que jornalista não é executivo, mas que ela precisa dar resposta rápida e eficiente ao jornalista para o bem do cliente dela. E verdadeira, please! se isso muda, o jornalista não reclama da assessoria que não responde email, a assessoria não precisa ligar vinte vezes para jornalista e nem jornalista precisa mendigar entrevista.´são os pequenos gestos que mudam uma cultura. seja verdadeiro com jornalista, responde email quando solicita entrevista e não alimente o ego dele que já é maior do mundo! o ego do coitado do jornalista não é grande por ele, mas porque alguém trata ele como se ele fosse alguma personalidade. ele até pode ser, mas isso é uma outra história. e mesmo sendo, isso não significa que ele seja arrogante. uai, porque então a imprensa arrogante?………

  3. Cara, acho que você errou ao responder o e-mail com cópia para chefe da assessora. Erros acontecem e não me parece ético ou correto tripudiar sobre eles.

  4. Fala Felipe, tudo bem?
    Sinceridade, não concordo, a não ser pelos erros acontecem. O problema é a postura da assessora. O que não me parece ético é o comentário sobre o jornalista. Depois, quando eu digo que algumas assessorias e assessores (as) menosprezam veículos considerados menores e só dão atenção aos grandes, tem gente que me olha torto. Sei que a prioridade na maioria dos casos é definida pela própria fonte, mas geralmente esse povo esquece que amanhã esse jornalista “quase importante” pode estar num dos jornalões ou revistas semanais.
    Abraço e valeu pelo comentário.

  5. essa foi péssima realmente. já recebi release que tinha como cabeçalho, antes do release, o registro da troca de emails para a aprovação do texto, com indicações de erros de português, e etc. Mas uma vez foi pior, abaixo do release havia uma troca de emails entre dois “namorados”, aquelas mensagens bem meladinhas de começo de namoro. Era estranho porque estava sendo convidada a ler algo totalmente íntimo de alguém que eu não sabia nem quem era…. vai entender.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s