O modelo de release que ainda incomoda

Por Rodrigo Capella*

Fui convidado por Gil Giardelli para ministrar palestra sobre PR Digital no curso “Ações Inovadoras em Comunicação Digital”, da ESPM. Durante a conversa com os alunos, comentei os avanços da comunicação brasileira e internacional, citei alguns cases de vídeo-release e sustentei, causando alguma estranheza, o fim do disparo de releases.

Na sequência, apresentei o Social Media Press Release (SMPR), desenvolvido pela SHIFT Communications. Neste momento, a reação da plateia foi ainda maior. No lugar de olhos arregalados e sinais de surpresa (marcantes na parte inicial da palestra); mãos esticadas e lábios aflitos para perguntar, comentar e questionar.

Desenvolvido para propiciar uma total interatividade com o jornalista, o SMPR é constituído por diversos espaços, contemplando as novas mídias e também a informação escrita.

Logo no início, o jornalista tem acesso aos contatos gerais do cliente, como telefone, e-mail e site, e informações também da assessoria de imprensa. Até aí, nada diferente. A reação da plateia veio, no entanto, quando mostrei que neste mesmo espaço há a necessidade de se colocar as informações do porta-voz da empresa. Sim, isso mesmo! Ao visualizar o SMPR, os profissionais de redação podem ter acesso direto à fonte, sem ligar para as agências.

“Isso nunca daria certo onde eu trabalho. As fontes nunca falariam direto com o jornalista”, disse um dos alunos. “Não concordo. E o nosso trabalho, como fica? Nós é quem demos agendar as entrevistas”, acrescentou outro.

Estas reações eram esperadas – talvez, não com tanta intensidade. O fato é que a comunicação conta, dia a dia, com novos elementos e o PR Tradicional tem de se adaptar. As rupturas, mesmo que em pequena escala, causam, naturalmente, um certo desconforto.

É lógico que colocar os contatos do porta-voz no SMPR exige um trabalho prévio e muito bem planejado, principalmente relacionado à consciência organizacional. Processos devem ser criados, rotinas precisam ser estabelecidas e o mais importante: as assessorias precisam entender que o seu trabalho não se limita somente ao agendamento de encontros e entrevistas.

Cada vez mais, os assessores de imprensa são consultores e devem agir estrategicamente, adquirindo a confiança do cliente. Este é um ponto importante! Com o fator confiança estabelecido, um porta-voz não dará entrevista a um veículo sem comunicar para a assessoria de imprensa e, desta forma, o assessor não será extinto do processo.

Em outros espaços do SMPR, há a possibilidade de se colocar declarações de executivos da empresa, fotos, MP3, podcast, vídeo-release e links para RSS, Digg e Delicious, entre outros ambientes virtuais. Além disso, é possível disponibilizar notícias do setor ao jornalista, oferecendo dados de mercado para os profissionais de redação contextualizarem com mais elementos a matéria final.

Ao disponibilizar estas mídias e recursos, o SMPR confirma a necessidade da política da transparência total. Os assessores de imprensa precisam oferecer um pacote de informações ao jornalista, facilitando o trabalho deste profissional e atuando como parceiro. Neste contexto, esconder ou ocultar informações, como contatos de porta-vozes, é um retrocesso!

Um brinde à evolução da comunicação; um brinde à quebra de paradigmas!

(*) Rodrigo Capella é assessor de imprensa desde 2002, formado em Jornalismo pela Umesp e pós-graduado em Jornalismo Institucional pela PUC-SP. Autor, entre outros, de “Assessor de Imprensa – fonte qualificada para uma boa notícia”. Edita o blog PR Interview e ministra os cursos Assessoria Digital – Evoluindo do Release para a Web 2.0 (Escola de Comunicação) e Engagement: dicas para um relacionamento diferenciado com imprensa e cliente (Abracom).
Anúncios

E-book de RP Digital

Confesso que tive esta ideia faz algum tempo. Neste mesmo formato, inclusive, distribuído em PDF de forma gratuita, produzido de maneira colaborativa. Mas o pessoal já fez o trabalho e pelo pouco que li, parece bem interessante.

“Relações públicas digitais – O pensamento nacional sobre o processo de relações públicas interfaceado pelas tecnologias digitais”.

O conteúdo foi construído pelas professoras mestres Carolina Terra (USP), Daiana Stasiak (UFSM) e Judy Tavares (UFAM), do especialista Aurélio Favarin (UEL), dos relações-públicas Laís Bueno e Robson Ferreira, e do acadêmico de relações públicas Mateus Jesus Martins. Enquanto ainda não terminei de ler, #ficadica!

As agências de comunicação no Twitter (atualizado)

Todo mundo gosta de uma listinha, vai. Resolvi me arriscar e caçar as agências no Twitter. Boa parte delas eu já acompanho. Muitas, inclusive, conheci por meio dessa ferramenta e passei a admirar. Vale ressaltar que tentei seguir a lsita de associados da Abracom, entrei nos sites de várias delas e das que eu conheço ou já ouvi falar. Naquelas nos quais o perfil não está na página principal, cheguei a olhar o campo de contato e não achei nada, por esta razão, não estão citadas aqui. Todas as que apresento, raras exceções, têm atuação muito mais voltada para o trabalho de assessoria de imprensa.

De qualquer forma, esta também é uma lista colaborativa. Incluam, nos comentários, aquelas que não constam aqui até porque certamente não consegui identificar todas. A ideia é tornar essa lista uma aba fixa e permanentemente atualizada. Lembro que estou considerando somente as nacionais ou que atuam no Brasil:

2pró Comunicação
Andreoli MS&L
Agência Detalhes
Agência Ideal
Approach
Agência W2Pod
Bansen
Branding and Sales
Burson-Marsteller Brasil
Casa da Notícia
Casa do Cliente
CDI Comunicação
CDN Interativa
Comunicação Interativa
Contato Comunicação
CSK Comunicação
Dialeto
Edelman Brasil
Emporio Comunicação
EPR Comunicação Corporativa
Estudio de Comunicação
EVCom
FSB
G&A Comunicação
Grupo Casa (Informare)
GrupoTV1
Imagem Corporativa Digital
Inédita SP
In Press Porter Novelli
Intermídia Rio Preto
Ketchum Interactive Communications
KlaumonForma
KRP
Lead Comunicação
Linhas & Laudas
Lu Fernandes Comunicação e Imprensa
LVBA Comunicação
Máquina da Notícia
Marqueterie
Oca Comunicação
Oficina da Palavra
Ogilvy PR Brasil
Perspectiva
Popcorn Comunicação e Marketing
Ralcoh Comunicação
Ricardo Viveiros
RMA Comunicação
S2 Comunicação
S/A Comunicação
Santa Clara Comunicação
Scritta
Sing Comunicação
Signo Comunicação
Spin Doctor
The Jeffrey Group
Talk Interactive
Textual Comunicação
Trama Comunicação
Trópico Comunicação
Versátil Comunicação
Vianews
XPress Comunicação

Associações e entidades de classe:

Aberje
Abracom

Abracorp

ABRP-SP

Conferp

Veja também:

Se você quiser conferir a lista de empresas e veículos de notícia brasileiros no Twitter, o Juliano Spyer também tem uma excelente opção.
Caso procure a lista de pesquisadores da comunicação, a melhor é a produzida por de Rogério Christofoletti.

Lição de casa

Como bem sabem – se é que ainda há alguém acompanhando este blog – está difícil manter uma atualização freqüente. E vou ser sincero: não esperem que, prestes a entrarmos no Natal, eu passe a publicar mais coisas por aqui :-).

Enfim, deixo aqui para esse período de férias coletivas alguns links bacanas que encontrei e que podem ser lidos e analisados. São vários artigos e papers com conteúdo bem bacana. A maioria, claro, foi feita por gringos:

Não gostou? Pode meter o pau ou, então, complementar a lista!