Mas tem certeza?

Parece surreal, mas aconteceu. Eu vi e ouvi aqui na redação. Depois tem gente que reclama do Pérolas. Como pode um negócio desses?

Toca o telefone:
(Fabiana) – Redação.
(Assessora) – Oi Fabiana, tudo bem? Eu sou a Chiquinha Gonzaga*, da assessoria de imprensa da Mussum Mocó*. Queria te convidar para uma coletiva sobre disfunção erétil.
(Fabiana) – Não dá, não tem o perfil de nossas publicações aqui. Escrevo sobre tecnologia da informação e relações de consumo.
(Assessora) – Mas posso te mandar o material?
(Fabiana) – Acho melhor não, não temos como aproveitar isso.

Comentário da Jéssica aqui na redação: “só faltou a assessora dizer que encontrar uma pesquisa dizendo que os executivos que trabalham com tecnologia da informação tem alta propensão a ficarem broxas.

Hoje, toca novamente o telefone:
(Fabiana) – Redação.
(Assessora) – Oi Fabiana, tudo bem? Eu sou a Chiquinha Gonzaga*, da assessoria de imprensa da Mussum Mocó*. Lembra que disse que não poderia ir à coletiva sobre disfunção erétil? Posso te mandar o material?
(Fabiana) – Olha, na boa, não rola. Não tem nada a ver com as nossas revistas e sites.
(Assessora) – Tem certeza? Não quer mesmo o material? Mas você não faz o online?
(Fabiana) – Sim, escrevo para o online e para o impresso, mas não tratamos esse tipo de tema nas publicações.

Não dá vontade de bater o telefone na cara? Custa dar uma olhadinha no site e na revista antes de fazer um follow desses?

Anúncios

Tecnologia?

Diálogo de follow ontem:

– Oi, aqui é a Chiquinha*, da assessoria Mussum Mocó*. Vc recebeu um release que a gente enviou?
Bruno diz: – Sobre o que é o release?
Chiquinha: – sobre tecnologia
Bruno diz: …

Bruno: Um dia eu ainda respondo, “ah, que pena, achei que era sobre antropologia”.

E sabem o que é pior? Isso aconteceu comigo também! A mesma figura me ligou poucos minutos antes de conversar com o Bruno e disse a mesma coisa. Agora, fala sério, como uma pessoa faz follow com duas revistas de tecnologia e me solta uma dessas?

Momento “Tropa de elite”

Não… não vou comentar o filme. Assisti e achei duca. Mas hoje recebi um release de um assessor que deve ter visto esses dias.

1) Era uma errata de um texto já divulgado. E ainda assim, passou essa:

“No entanto, os serviços de telefonia móvel estão prestes a tomar a liderança do setor, a medida em que esse serviço ultrapassar a telefonia fixa em termos de tráfico e receita.”

2) Ao ver o filme pela segunda vez, estava acompanhado de uma turma de assessores de imprensa amigos. O treinamento para entrar no Bope, ilustrado no filme com tapas e bordões, foi rapidamente transferido para o segmento de comunicação. Um deles comentou:

“Isso aí é treinamento pra assessoria de imprensa. Gerentes enfiam a mão na cara e dizem: pede pra sair da conta, pede pra sair da conta, pede pra sair da conta.”

3) No blog do Michel Lent há um post ótimo que mostra o que aconteceria se o Capitão Nascimento fosse eleito.

Óh nosso dinheiro

Mais uma vez temos que ver nosso rico e suado dinheirinho mal aplicado pelo governo. Isso parece tão comum no Brasil. Mas a dica – do Alê Scaglia e do Felitti – é simplesmente sensacional. No mau sentido, claro. Concebem a idéia do MEC – sim, o Ministério da EDUCAÇÃO – simplesmente escrever “Acessoria” em vez de “Assessoria”. Duvidam? Pois visitem o portal do órgão e passem o mouse sobre a palavra Comunicação, no menu. Percebam o box que se abre. Se não conseguirem visualizar, o Felitti capturou a tela aqui. Segundo o Scaglia, em recado no Twitter, quem descobriu essa cagada foi a Luciana Cohen, que trabalha com ele!

O maldito “reply”

Já publiquei alguma coisa por aqui sobre as gafes cometidas na hora de redirecionar ou responder um e-mail na relação entre assessores e jornalistas. Mas a colaboração de um amigo jornalista é uma das melhores que já recebi e vai para o quadro de campeãs. Vejam abaixo:

Certo dia estava no aeroporto esperando um vôo para Miami de uma empresa que me convidou e uma assessora de imprensa de uma empresa de telefonia me ligou dizendo o seguinte. “Olá, Fulano. Tudo bem? Estou te ligando para convidá-lo para um evento da nossa empresa amanhã, aqui na cidade amanhã”. Estranhei o convite em cima da hora e completei:

“Obrigado pelo convite, mas estou no aeroporto indo para o exterior. Só volto daqui uma semana”. Não demorou muito, recebi um e-mail com o seguinte teor: “Olá, Fulana. Falei com o jornalista há pouco. Ele estava no aeroporto indo pra outra viagem. Esqueci de convidá-lo para o evento de amanhã e, portanto, não poderia ir. Mas falei de uma forma como ele fosse a pessoa mais importante do mundo. Olha só que sorte!

Só que a sorte dela é que o e-mail foi parar na minha mão em vez da chefe dela. Sinceramente não liguei para o ocorrido, mas não ia perder a oportunidade de mostrar que recebi o conteúdo. Encaminhei o e-mail para a chefe dela complementando: “Olha, recebi este e-mail por engano. Acho que é seu! E só lembrando…não sou tão importante assim”.

Disso tudo, fica um aprendizado. Tanto do lado da imprensa, quanto do lado da assessoria, é melhor guardar consigo sentimentos particulares. Se falar já não é aconselhável, imagine escrever e entregar na porta errada.

Gozação

Só pode ser. Há alguns dias vi um comentário esquisito publicado. Deixei de lado e hoje fui ver com calma. Vejam abaixo o que a figura escreveu. Só pode ser alguém tirando sarro:

  1. raphaela | raphairon@yahoo.com.br | ola pessoal!!!
    voceis devem achar um pouco esquisito esse papo,mas e que eu sou da quelas pessoas que nunca desiste dos sonhos,eu gostaria de saber se foces poderiam me ajudar.se voces pudesem me contratar para mim fazer novelas,nos nao se conhecemos mas pelo imel nos podemos conversar e eu passarei o meu numero de telefone para voces ai ou para o contrator,por favor me ajudem de qualquer forma… se voces quiserem que eu contribuo de alguma forma nos conversamos pelo email e eu pásso meu numero do telefone…

    muitissimo obrigada.

    Jun 23, 5:17 PM — [ Editar | Apagar ] — View post “Sobre”

    Ação massiva:

Manuel do participante

Tati Alcalde é uma fiel colaboradora do Pérolas. Daquelas quietas. Mas quando fala, sai que lá vem bomba! Como sempre, inconformada, enviou o material que copio abaixo. Ela ia cobrir um evento fora de São Paulo e recebeu algumas orientações. No meio do texto surge?

– Contratamos uma empresa de transfere para recebe-luz no Aeroporto e na volta leva-luz do Hotel ao Aeroporto. Para isso peço o favor de enviar-nos até 18/06 (segunda-feria) as informações solicitadas abaixo: